• Críticas
  • Festivais
  • Lista61

Crítica: O Brasil sem esperança de Estado Itinerante

Textos relacionados

*Por Leonardo Resende – hashtagcinema@daiblog.com.br

Manter um mistério dentro de um filme não é muito difícil. Basta o diretor retirar alguns elementos, poucas imagens e deixar o restante com a imaginação do espectador. Este é o caso do curta-­metragem Estado Itinerante, exibido na Mostra Competitiva do 49º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro no último sábado. O curta de Minas Gerais foi produzido e dirigido por Ana Carolina Soares.

Sabemos que Vivi quer se separar por viver um relacionamento abusivo. Dia após dia, procurar um novo lar é algo mais rotineiro do que seu próprio trabalho como cobradora de ônibus. Além desse desejo imenso de se libertar, a personagem tem que aprender a lidar com a vida monótona. Interpretada por Lira Ribas, a protagonista conduz o filme inteiro com uma atuação carregada.

Assim como o filme O Delírio é a Redenção dos Aflitos (também exibido no festival), Estado Itinerante também coloca personagens em um cenário de difícil convivência, onde sua grande provação é enfrentar um trauma. Às vezes filmado com tons oníricos e hipnotizantes, vide cena que Vivi dança a música Don’t Cry, da banda Guns n Roses, Estado Itinerante também expressa um país desesperançoso e cinzento.
Cotação do Daiblog: DaiblogDaiblogDaiblog

Leia mais sobre o 49º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro
Crítica: O Brasil sem esperança de Estado Itinerante
Crítica: O Último Trago: boas ideias, péssima execução
Filmes candangos estão na Mostra Brasília
Crítica: Conhecendo o estranho com Solon
Filmes retratam a sensibilidade das produções mineiras
Programação para a criançada no Festivalzinho
Crítica: A crueldade sem filtros é vista em Martírio
Curtas: Regresso soteropolitano e animação dramática
Crítica: Rifle tem clima de faroeste no sul do Brasil
Festival de Brasília começa com tom politizado
Mostra Cinema Agora no Festival de Brasília
Curta de Lauro Escorel abrirá o Festival de Brasília
Cinema Novo na abertura do Festival de Brasília
A Destruição de Bernardet no Festival de Brasília
Curtas e médias do 49º Festival de Brasília

Longas selecionados para o 49º Festival de Brasília

não deixe de ler

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidade

Veja também

Perfil: o grande cineasta italiano Michelangelo Antonioni

Consagrado diretor italiano, Michelangelo Antonioni nasceu em Ferrada, norte da Itália, em 19 de setembro de 1912. Antes de iniciar sua carreira como cineasta,...

Cinema especial – Taylor Lautner

Taylor Lautner interpreta um lobisomem no meio de um triângulo amoroso humana/vampiro/lobisomem intensificado em A Saga Crepúsculo: Lua Nova após se estabelecer no fenômeno...

Conheça a carreira do ator Mark Ruffalo

Com uma extensa lista de créditos em filmes os mais diversos, Mark Ruffalo é um dos mais requisitados atores de Hollywood. Recentemente, Ruffalo concluiu...