• Críticas
  • Festivais
  • Lista61

Filmes retratam a sensibilidade das produções mineiras

Textos relacionados

*Por Clara Camarano – redacao@daiblog.com.br

Duas produções sensíveis, que falam de encontros, reencontros e das maneiras peculiares de cada um lidar com a vida e seus anseios.  O segundo momento da mostra competitiva do 49º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, que começou às 21h30 desta sexta-feira foi permeado por dois comoventes filmes das terrinhas mineiras. Aplausos não faltaram para o curta-metragem Constelações, do diretor mineiro Maurílio Martins, e para o longa-metragem que encerrou a noite com chave de ouro, A Cidade Onde Envelheço, de Marília Rocha.

Foto: Junior Aragão
Uma estrada, um caminho escuro percorrido durante a madrugada por dois estranhos que não falam a mesma língua. No meio desta viagem, um carro de polícia atrapalha o percurso e causa indignação tanto dos personagens, quanto da plateia, que se identifica com os métodos invasivos das blitz. Este é o mote para Constelações, produção de 25 minutos que consegue passar  uma forte mensagem em um simples roteiro.

Constelações
Na condução da trama, estão os atores Renato Novaes e a atriz Stine Krog-Pedersen. De países e idiomas distintos, eles travam um diálogo no meio do “nada”, de uma estrada vazia. Ou melhor, da solidão. Apesar das dificuldades da comunicação verbal, Renato e Stine se identificam pelas frustrações e coincidências de vida.

Constelações
A história vai se desenrolando neste diálogo diferente, porém próximo. Aliás, o mais surpreendente do filme cabe exatamente neste e em outros detalhes. Como o momento em que a personagem de  Stine Krog-Pedersen começa a cantar Ursinho Pimpão, propositalmente em português. A música cantada na mesma língua do parceiro de estrada  traduz a identificação entre ambos.

A Cidade Onde Envelheço
Já na sequência, a diretora mineira Marília Rocha chegou com a história de duas jovens portuguesas que se reencontram na capital Belo Horizonte.  Em 99 minutos, A Cidade Onde Envelheço comoveu a plateia com um enredo leve, simples, poético. A solidão e a saudade da terra natal, traçam uma linha comum entre duas amigas de infância que saíram de Lisboa para tentar a vida na capital mineira.

A Cidade Onde Envelheço

Francisca, de uma personalidade a princípio mais desapegada e contida, já mora há algum tempo em Belo Horizonte. Após anos de separação, de distância entre Brasil e Portugal, Teresa resolve imitar a amiga e parte para o Brasil para morar com ela.   Com uma personalidade totalmente diferente da sua colega, Teresa expande alegria e um jeito próprio de lidar com a cidade, com a vida e com as relações amorosas.

No entanto, mal sabem as pessoas que elas são mais parecidas do que nunca.  Aliás, este é exatamente o ponto que a produção merece aplausos. E de pé. Embora as jovens aparentem ser tão diferentes,  a solidão, a inquietação entre o “ir” e “vir”, “ficar” ou “partir”, a insatisfação seja do lado de cá do Atlântico ou do de lá são linhas em comum não apenas entre estas personagens. Há uma discussão filosófica embutida no filme: o convívio com a liberdade. Liberdade esta tão desejada, mas ao mesmo tempo tão difícil de ser encarada. De fato, mais um aplauso para o delicado olhar de Marília Rocha sobre o universo feminino.

não deixe de ler

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidade

Veja também

Destaques da filmografia da atriz Chloe Sevigny

Chloe Sevigny retratou uma freira numa cidadezinha da África devastada pela AIDS em “3 Needles”, escrito e dirigido por Thom Fitzgerald, com  Lucy Liu...

Os múltiplos talentos de Anne Hathaway

Anne Hathaway alcançou o estrelato ao contracenar com Meryl Streep no sucesso de 2006, O Diabo Veste Prada. Ela foi vista no papel de...

Perfil: o grande cineasta italiano Michelangelo Antonioni

Consagrado diretor italiano, Michelangelo Antonioni nasceu em Ferrada, norte da Itália, em 19 de setembro de 1912. Antes de iniciar sua carreira como cineasta,...