Roteiro confuso de Assassin’s Creed funciona só para fãs dos jogos

Textos relacionados

*Por Clara Camarano – redacao@cine61.com.br
Transportar um jogo de videogame para as telonas não é uma tarefa fácil. É preciso agradar os gamers que estarão de olho em cada detalhe e, ainda, os cinéfilos que não entendem aquele universo, mas que estão interessados em conhecer a história. O famoso jogo Assassin’s Creed foi lançado em 2007 e conquistou os jogadores que adoram adentrar em épocas passadas e viver personagens heróicos.

O longa-metragem inspirado na franquia entra em cartaz nos cinemas com a mesma expectativa de sucesso do seu jogo homônimo. No entanto, para quem não conhece a saga, ele pode deixar a desejar. O roteiro é um dos pontos fracos pela complexidade na construção da trama. O enredo confuso, lento e pouco explicativo faz com que o público saia do cinema entendendo apenas o básico. Isto, claro, para quem não conhece o jogo.

A produção de ação e aventura é dirigida pelo australiano Justin Kurzel (Macbeth) que, em quase duas horas de duração, conta a história de Callum Lynch (Michael Fassbender), um homem condenado a morte que é levado para a Fundação Abstergo, em Madri (Espanha). A organização dirigida por Alan Rikkin (Jeremy Irons) tem o objetivo de encontrar a Maçã de Éden, uma relíquia antiga que contém o segredo para o livre arbítrio da humanidade.

Call é transportado ao seu passado por meio de uma máquina capaz de visualizar a memória genética das pessoas – a Animus. De volta a Espanha do século 15, ele revive seu ancestral responsável pela última notícia que se tem da maçã: o brutal e imbatível assassino Aguilar. Além de descobrir que pertence ao clã de assassinos, o personagem tomará o conhecimento necessário para entender o confronto com os Templários, principais inimigos do seu grupo.

 Dá até para entender o rumo e se envolver, principalmente pela boa passagem de tempo – passado e presente -, pelas belas imagens de época, exuberantes figurinos e lutas que dão a sensação de se estar jogando e vivenciando cada situação. Um ponto falho são as atuações robóticas, incluindo a do protagonista Michael Fassbender, que mantém o mesmo semblante do início ao fim. A trilha sonora é um ponto positivo, mas no final se torna exaustiva. A impressão é de que o filme não chega ao clímax. Outro detalhe que fica como bom saldo é a crítica intrínseca à hipocrisia da sociedade. Entre assassinos e templários não se sabe quem de fato é do bem ou do mal. 

Cotação do Cine61:  Cine61Cine61

 Veja aqui o trailer do filme Assassin’s Creed:

 

Assassin’s Creed (2016, EUA, Reino Unido, França, Hong Kong) Dirigido por Justin Kurzel. Com Michael Fassbender, Marion Cotillard, Jeremy Irons, Brendan Gleeson, Charlotte Rampling, Michael Kenneth Williams.

não deixe de ler

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidade

Veja também

Selton Mello na frente e atrás das câmeras

Um dos atores mais aclamados de sua geração no Brasil, Selton Mello tem se firmado como um cineasta original, de inquietações pessoais, dono de...

Destaques na carreira da atriz Nicole Kidman

Nicole Kidman chamou a atenção do público americano pela primeira vez em 1989, com seu desempenho aclamado pela crítica no arrebatador thriller psicológico de...

Perfil: O talento do veterano documentarista Vladimir Carvalho

Vladimir Carvalho mora em Brasília desde os anos de 1970, depois de longa atividade no Rio de Janeiro, onde foi colaborador de Eduardo Coutinho,...