Baronesa: a periferia de BH do ponto de vista de mulheres

Não é de hoje que o documentário está colocando elementos ficcionais nas tramas. O cineasta Adirley Queirós faz isso muito bem, como na trilogia A Cidade é uma Só?, Branco Sai, Preto Fica e Era Uma Vez Brasília. Assim como a temática periférica de Adirley, Baronesa se situa em uma periferia de Belo Horizonte. Mas o filme de estreia de Juliana Antunes vai além, causa um impacto no espectador, que pode se questionar se a realidade é ficção.
Baronesa ganhou prêmios em diversos festivais nacionais, além de internacionais, como na França, Chile, Espanha, Argentina e Cuba. O filme não está distante dos “favelas movies”, que abordam a periferia a partir de um ponto de vista da violência ou do tráfico. Essas questões no longa existem, mas são secundárias. O foco são os personagens e principalmente as mulheres. O longa aborda o dia a dia de duas vizinhas que moram na periferia de BH. Leid e os filhos esperam a volta do marido preso. E Andreia está construindo uma casa para se mudar. Essas mulheres são humanizadas e são as histórias delas que conduzem a trama. Tudo ao mesmo tempo em que precisam lidar com questões que não dizem respeito a elas, mas que as influenciam, como a guerra do tráfico.
A diretora Juliana Antunes teve diversos desafios, como rodar por dois anos os bairros de BH e encontrar moradoras para participarem do filme, além de se mudar para favela e morar por seis meses na região – foi uma das condições impostas pela moradora Andreia, personagem do filme, pois não conseguiria avisar com antecedência quando poderia gravar. A cineasta recebia visitas semanais da equipe para as gravações.
Mesmo trazendo essas mulheres para o protagonismo e mostrar uma periferia a partir do ponto de vista delas, a diretora teve outra dificuldade. Mão conseguiu acompanhar outras excelentes histórias, simplesmente porque os maridos ou as figuras masculinas relacionadas a essas mulheres não autorizavam a gravação. Com uma realidade crua e impactante, Baronesa, ao ir e vir entre ficção e realidade, é um ótimo filme, pois aborda a periferia a partir de um ponto de vista feminino. Traz a humanização das moradoras e não apresenta um tom de miséria ao abordar a vida dura dessas personagens.

*Por Vinícius Remer da Silva – contato@cine61.com.br

Veja aqui o trailer do filme Baronesa:




Baronesa (Brasil, 2017) Dirigido por Juliana Antunes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui