• Críticas
  • Lista61

O Processo revela os bastidores do impeachment de Dilma

Textos relacionados

O documentário O Processo releva os bastidores do impeachment que destituiu a ex-presidente Dilma Rousseff do cargo. Com 450 horas de material filmado, o longa se transformou em 130 minutos que registram as votações na Câmara dos Deputados e no Senado, coletivas de imprensa, comissões e reuniões a portas fechadas. O filme, antes de estrear nas salas brasileiras, foi ovacionado no 68º Festival de Berlim, além de receber prêmios em festivais de cinema na Alemanha, Suíça, Espanha e Portugal. Mas documentários são recortes e estão longe de representar uma verdade absoluta. O doc, com direção de Maria Augusta Ramos, carrega seu viés.
A própria diretora releva, em entrevista ao Huff Post Brasil, que o longa trata-se de uma visão dela sobre o processo de impeachment. Outro ponto que também corrobora com o olhar de Maria Augusta sobre o tema é o acesso aos bastidores da defesa de Dilma Rousseff, muito mais presente no filme do que o outro lado, o da acusação. Mas ambos estão representados na tela, com argumentos dos dois lados. E são eles que guiam toda a trama, presentes nas figuras da advogada Janaína Paschoal (acusação) e José Eduardo Cardozo (defesa).
A escolha da diretora em focar no teor político-jurídico do processo não foi a toa. Maria Augusta tem experiência no sistema judiciário. Filmou também os premiados Justiça (2004), Juízo (2007) e Morro dos Prazeres (2013). Todos propõem reflexões entre sociedade e justiça. Janaína Paschoal e José Eduardo Cardozo representam essas figuras “judiciárias” completamente antagônicas. Janaína, de tão caricata e absurda, parece representar um personagem e não ela própria. As explicações, tanto da defesa como da acusação, estão o tempo todo na tela, o que cansa o espectador, mesmo com alguns momentos de respiro, como as cenas dos monumentos de Niemeyer em Brasília.
A diretora, como em outras obras, não se utiliza de entrevistas no documentário. O Processo segue uma linha do tempo e tem como ponto forte a edição. Mesmo sem a intervenção da direção, segue uma linha narrativa somente com as falas de quem está em cena. Muito longe da recente série O Mecanismo ou House Of Cards, O Processo revela não só os bastidores de um processo de impeachment, justo ou não, mas também de todo o jogo político, sujo ou não.

Cotação do Cine61: Cine61Cine61Cine61Cine61

*Por Vinícius Remer da Silva – contato@cine61.com.br

Veja aqui o trailer do filme O Processo:

 

O Processo (Brasil, 2018) Dirigido por Maria Ramos. Com Dilma Rousseff, Michel Temer, Jean Wyllys, Janaína Paschoal, Jandira Feghali, Eduardo Cunha, José Eduardo Cardozo…

não deixe de ler

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidade

Veja também

Conheça o diretor Felipe Sholl

Felipe Sholl é formado em Roteiro pela Escola de Cinema Darcy Ribeiro e em Jornalismo pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Fala...

Cinema Especial – Rachel McAdams

Rachel McAdams em breve estará na comédia romântica “Morning Glory”, na qual contracena com Harrison Ford, Patrick Wilson e Diane Keaton sob a direção...

Cinema especial – Tom Cruise

TOM CRUISE atingiu sucesso extraordinário como ator, produtor e filantropo em uma carreira que se estende por duas décadas. Foi indicado três vezes ao...