A Fuga: como um voo transformou a história do filme

Textos relacionados

De acordo com o roteirista de A Fuga (Deadfall), Zach Dean, o plano inicial para o filme era trabalhar em uma história mais tradicional, um thriller direto e reto. Mas tudo mudou quando ele embarcou em um voo transcontinental da Califórnia para Nova York. Pouco depois da decolagem, o piloto do avião percebeu que o trem de pouso não iria retrair. A trajetória foi então rapidamente ajustada para um o aeroporto de Los Angeles, deixando Dean com um tempo que pareceu uma eternidade para ponderar sobre sua própria mortalidade.
“Ficamos voando por cerca de três horas”, afirma Dean. “O avião da Jet Blue tem monitores no encosto de cada poltrona, então ficamos vendo o nosso voo, o 292, em destaque na Fox News por um bom tempo. Foi uma experiência dramática interessante”, completa. Conforme o piloto voava ao redor do aeroporto para tentar gastar a maior quantidade de combustível possível antes de arriscar o pouso, Dean repensou seus sentimentos sobre a vida, a família e sua vontade de ser pai. “Todos os personagens principais do filme fariam parte destas famílias interconectadas que iriam colidir”, explica ele. “Este seria o pano de fundo do filme, um thriller de fuga. Era um guia temático, para que eu soubesse que isso estaria no núcleo destes tipos de famílias, de parentes”.  
Assim que voltou para casa, os personagens desenvolvidos por Dean praticamente saltaram para fora da página, nascidos de diferentes camadas narrativas com o tema dos relacionamentos familiares. “Começou com a história de Addison e Liza”, afirma Dean, a respeito dos personagens vividos por Eric Bana e Olivia Wilde. “Um irmão e uma irmã com uma história bastante sombria mas ainda com uma forte ligação, talvez até em um nível não muito saudável. Sobreviventes, que de muitos jeitos diferentes se amam, mas são perigosos. O segundo ponto que trabalhei foi o retorno para casa do ex-presidiário Jay (Charlie Hunnam) e seu relacionamento distante com o pai, Chet (Kris Kristofferson), e a mãe, June (Sissy Spacek) – além de sua luta para se reconectar com eles e recomeçar. A seguir, foi a vez de falar sobre o xerife da cidade, Becker (Treat Williams), cuja filha Hanna (Kate Mara) é uma jovem policial que quer a sua aprovação a qualquer custo. Foi basicamente esta força motora que ajudou a conectar estas diferentes esferas de famílias, todas colidindo durante esta imensa nevasca, o grande evento”.

não deixe de ler

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidade

Veja também

Os múltiplos talentos de Anne Hathaway

Anne Hathaway alcançou o estrelato ao contracenar com Meryl Streep no sucesso de 2006, O Diabo Veste Prada. Ela foi vista no papel de...

Cinema Especial – Cate Blanchett

Cate Blanchett, que interpretou mais recentemente Irina Spalko no sucesso de Steven Spielberg, Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal, foi indicada...

Selton Mello na frente e atrás das câmeras

Um dos atores mais aclamados de sua geração no Brasil, Selton Mello tem se firmado como um cineasta original, de inquietações pessoais, dono de...