• Críticas
  • Lista61

Hebe reforça o pioneirismo e coragem da apresentadora

Textos relacionados

Para o público mais jovem, Hebe Camargo pode parecer apenas uma senhora de idade que tinha um programa na televisão. Mas ela foi muito mais do que isso. O longa-metragem Hebe – A Estrela do Brasil mostra uma parte da trajetória da popular artista, que se destacou por seu jeito irreverente e pensamento moderno. Com direção de Maurício Farias (O Coronel e o Lobisomem), o filme tem roteiro assinado por Carolina Kotscho, que escreveu outra cinebiografia de sucesso: 2 Filhos de Francisco: A História de Zezé di Camargo & Luciano.

Hebe começou a carreira no rádio, mas o filme foca na sua vida apenas durante a década de 1980. É quando, já madura, usava seu programa ao vivo para falar de assuntos considerados polêmicos e de causas importantes. Andrea Beltrão vive a protagonista, uma mulher com voz e forte personalidade. A atriz interpreta bem a entonação e os jeito espalhafatoso da apresentadora. Beltrão usou figurinos originais de Hebe, tudo com muito brilho e exagero. Ela, contudo, não procurou fazer uma imitação. Sua atuação é correta, como uma versão encantadora da artista.

O mais incrível é traçar um paralelo do Brasil do passado com o atual, o que comprova o pioneirismo e coragem da loira. Por exemplo, hoje o governo cria mecanismos para esconder minorias e produções audiovisuais que retratem a diversidade sexual. Naquela época, Hebe convidava para os palcos performers e celebridades trans, como a modelo Roberta Close, que já foi considerada a mulher mais bela do país. Isso num período que o assunto gay era tabu. Contra a censura, Hebe usou e abusou do seu espaço na telinha para criticar o governo, dando voz às indignações dos brasileiros. A corrupção, que existia e ainda existe hoje, é retratada de forma leve, embora seja possível dizer que o tema principal do filme seja a força de Hebe como comunicadora e formadora de opinião.

A produção também abre espaço para a vida pessoal de Hebe, mostrando seu segundo casamento e sua relação com o filho. São momentos não muito divulgados e que também merecem atenção. No elenco do filme também estão Danton Mello, Marco Ricca, Gabriel Braga Nunes e Daniel Boaventura, como Silvio Santos. Andrea Beltrão se destaca do início ao fim, com o carisma e o brilho que o papel exige. O resultado é um trabalho com um ótimo propósito: fazer um registro e homenagem sobre a importância dessa imortal figura televisiva na sétima arte.

não deixe de ler

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidade

Veja também

Selton Mello na frente e atrás das câmeras

Um dos atores mais aclamados de sua geração no Brasil, Selton Mello tem se firmado como um cineasta original, de inquietações pessoais, dono de...

Conheça o diretor Felipe Sholl

Felipe Sholl é formado em Roteiro pela Escola de Cinema Darcy Ribeiro e em Jornalismo pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Fala...

A grande filmografia de Willem Dafoe

Willem Dafoe começou sua carreira com um papel pequeno no faroeste épico de Michael Cimino O Portal do Paraíso (1980), do qual foi demitido!...