• Festivais
  • Lista61

3º Festival de Cinema do Paranoá premia filmes

Textos relacionados

Mais de 375 inscritos, debates, mostras, oficinas, batalhas de rimas, show de talentos e, claro, muito cinema, ocuparam a 3ª edição do Festival de Cinema do Paranoá. De 21 a 27 de outubro de 2019, o evento encantou a região administrativa, que completou 62 anos no dia 25 do mês. No total, foram exibidas 62 produções e distribuídos prêmios para várias categorias, alternando entre valores em dinheiro e troféus estilizados do evento. Melhor atuação, roteiro, direção, direção de fotografia, melhor filme, dentre outros, tiveram visibilidade na terceira e maior edição do festival, que já se consolida no Distrito Federal e no Brasil. Além de dar espaço para filmes de autoria feminina – 25 % dos filmes selecionados –, estudantes, pessoas em situação de rua e pessoas com deficiência também garantiram seu espaço.

E o encerramento, no dia 27 de outubro, foi contagiante. O melhor curta-metragem do Festival de Cinema do Paranoá 2019 (Nacional/Distrital) foi Boi, uma animação de Lucas Bettim e Renan Carvalho. A produção é de São Paulo (SP). Na Mostra Nacional, dos 43 selecionados, quem levou o prêmio de melhor júri oficial foi o curta experimental Prefiro Não Ser Identificada, de Juliana Muniz, do Rio de Janeiro. O júri popular elegeu como melhor produção nacional A Parteira, de Catarina Doolan. O filme é representante de Natal e São Gonçalo do Amarante (RN).

Curta-metragem Boi foi premiado

Já dos 19 curtas-metragens que concorreram na Mostra Competitiva Distrital e Cidades do Entorno do DF, quem levou o troféu pelo júri oficial foi Cão Maior, uma ficção de Filipe Alves. Já o júri popular elegeu como o melhor Dona Zefinha – 93 Anos de Caminhada, um documentário de Cícero Fraga e Alan Schvarsberg. Ambos os filmes foram filmados no Paranoá e levaram troféu para casa. Já como melhor ator, foi José de Campos que conquistou o prêmio local pelo filme Mauro, com o mesmo nome do personagem que interpretou. Melhor atriz local foi para Pirita Regueira, que fez a personagem Mulher Misteriosa em Escola Sem Sentido. Ambos concorreram no DF.

Já o melhor curta-metragem de autoria feminina da Competitiva Nacional foi também Prefiro Não Ser Identificada, de Juliana Muniz. No DF, o melhor das mulheres foi Imery Xuatibâ Adopâdobâry / Meu Filho Perdido Voltou, uma ficção de Leticia Amorin realizada no Mato Grosso e em Brasília. “Vencedores somos todas e todos participantes, realizadoras e realizadores que exibiram seus trabalhos e toda a equipe, incluindo voluntários que foram esplêndidos. Somos gigantes por promovermos a cultura em nossa comunidade por meio do cinema”, destaca o idealizador do festival, Januário Jr.

A relação completa dos premiados está no site oficial do evento.

*Por Clara Camarano – Especial para o Cine61

não deixe de ler

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidade

Veja também

Destaques da filmografia da atriz Chloe Sevigny

Chloe Sevigny retratou uma freira numa cidadezinha da África devastada pela AIDS em “3 Needles”, escrito e dirigido por Thom Fitzgerald, com  Lucy Liu...

Cinema especial – Chris Pine

Chris Pine surgiu como um dos jovens atores mais requisitados de Hollywood. Em 2009, ele foi visto no sucesso de bilheteria da Paramount, parte...

Perfil – Javier Bardem

Javier Bardem foi o primeiro espanhol a ser indicado ao Oscar de Melhor Ator, uma honra recebida por sua interpretação do poeta e dissidente...