• Notícias
  • Lista61

Conheça a trama de Não Minta Pra Mim

Textos relacionados

Não Minta Pra Mim, nova produção da premiada atriz e cineasta Barbara Riethe, pela Ventu Filmes e dirigido por Adriana Paulini Leão, aborda os dois mais importantes princípios da humanidade: empatia e responsabilidade.

A narrativa do filme, que se passa em 2050, demonstra um mundo tóxico e inabitável, consequência da degradação acelerada da natureza. Barbara reflete claramente a importância do coletivo, da ação e reação e de como, após terríveis decisões, a única coisa que poderá nos salvar será a empatia.

A questão ambiental é exposta de uma forma muito realista e mostra o mundo catastrófico para o qual a humanidade caminha a passos largos. E que se conscientizar e se responsabilizar por nossos atos, bem como agir para muda-los são os únicos meios de frear as condições climáticas e naturais precárias que serão enfrentadas daqui 30 anos.

“Quando recebi os relatórios científicos para escrever o roteiro, percebi que os números gritam diante de nós, e o que sentimos com isso? Como agimos? Esse foi o mote do roteiro. Como sou atriz no filme, na hora de gravar as cenas e me colocar naquela situação foi ainda mais intenso. Toda a equipe do SET se envolveu, se comoveu. Já era impactante interpretar um personagem naquela situação ficcional, e mais ainda é pensar que aquilo poderia se tornar realidade para a maioria das pessoas”, diz Barbara.

O roteiro revela de forma visceral as diferentes personalidades e defeitos inerentes ao ser humano quando expostos ao pânico. Ao mesmo tempo em que declara o nascer do sentimento egoísta de preservação mostra a força do instinto coletivo. Com uma excelente construção de personagens, Barbara faz com que o público se identifique com cada um deles.

“A Júlia, minha personagem, é apaziguadora dos conflitos, a personagem Alice é tão teimosa e certa de si que não ouve ou se escuta, a personagem Louise é niilista e já perdeu as esperanças, o Fines é a paixão da ignorância e da conformidade. É possível que essa identificação possa, também, fomentar o olhar crítico do público. Acredito no poder transformador da arte, porque ela nos aproxima, ela nos humaniza, nos atravessa e desperta essa força para agir. O filme é um grito por mudança e uma lembrança de que ainda temos tempo e podemos mudar isso”.

não deixe de ler

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidade

Veja também

Conheça os trabalhos do diretor Rafael Primot

Cineasta, roteirista, dramaturgo e ator. Formou‐se em Cinema na FAAP (SP) e pós-graduação em Psicologia aplicada a escrita na PUC. Estudou dramaturgia com Antunes...

Cinema Especial – Cate Blanchett

Cate Blanchett, que interpretou mais recentemente Irina Spalko no sucesso de Steven Spielberg, Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal, foi indicada...

Cinema especial – Rosario Dawson

Rosario Dawson recebeu elogios por seus vários papéis de protagonista com os atores e diretores mais importantes da atualidade, tornando-se uma das protagonistas mais...