Pacificado circula em festivais do mundo

Textos relacionados

No próximo dia 15/02, o filme Pacificado será exibido, às 21h, durante o Toronto Black Film Festival, que acontece, de 12 a 17/02. O festival foi criado em 2013 pela Fabienne Colas Foundation, uma organização artística profissional sem fins lucrativos dedicada à promoção do cinema, arte e cultura no Canadá e no exterior. A Fundação Fabienne Colas também é a criadora do muito bem sucedido Festival Internacional de Cinema Negro de Montreal (MIBFF). Após 8 anos de sucesso contínuo, o Festival Internacional de Cinema Negro de Montreal (MIBFF), apresentado pela Global Montreal, expandiu-se para a vibrante e bela cidade de Toronto. O Toronto Black Film Festival inaugural foi apresentado pela Global Toronto de 13 a 17 de fevereiro de 2013.

Já nos dias 17/2 e 23/2, o filme Pacificado tem sua exibição durante o Perth Festival (Ausutrália), que acontece de 6/2 a 1/3/2020. O festival nasceu das noites anuais de entretenimento das escolas de verão da Universidade da Austrália Ocidental como um ‘festival para o povo’ em 3 de janeiro de 1953. Desde então, o Perth Festival semeou e cultivou décadas de crescimento cultural como o mais antigo festival de artes do Hemisfério Sul. É o principal festival de artes multi-curadoria da Austrália e um dos maiores do mundo, conhecido por encomendar grandes obras novas, celebrando as qualidades únicas de Perth e envolvendo diversos públicos.

A trajetória do Pacificado

Depois de ter levado a Concha de Oro, Concha de Prata e melhor fotografia no Festival de San Sebastián; ter ganhado melhor filme na 43ª. Mostra Internacional de SP e mais outros dois prêmios nas categorias debut, direção e fotografia, no Camerimage (Torún/2019), o Pacificado participou também do Festival de Cinema de Gotemburgo, na Suécia, além de ter sua exibição em um dos festivais mais exclusivos do circuito, o de Avara, no deserto de Israel.

O longa foi rodado no Morro dos Prazeres, onde morou por oito anos o diretor Paxton Winters. O primeiro documentário de Paxton, Silk Road ala Turka, foi feito enquanto viajava pela Rota da Seda. Seu filme de estréia, Crude, sobre dois mochileiros americanos e oportunistas que forjam o próprio sequestro, foi filmado na Turquia e venceu diversos prêmios internacionais.

A história do filme Pacificado foi co-escrita com Wellington Magalhães (morador da comunidade do Morro dos Prazeres) e Joseph Carter que também morou lá por 12 anos. O filme foi produzido pela produtora brasileira “Reagent Media” de São Paulo (Paula Linhares e Marcos Tellechea) e também teve coprodução do diretor norte-americano Darren Aronofsky, que trabalhou em “Réquiem para um sonho” e “Cisne negro”.

Na trama, Tati, uma menina introspectiva de 13 anos, luta para se conectar com seu pai, Jaca, depois que ele é libertado da prisão na esteira turbulenta das Olimpíadas do Rio. Enquanto a polícia brasileira de “pacificação” luta para manter uma ocupação tênue das favelas do Rio, Tati e Jaca devem navegar pelas forças conflitantes que ameaçam inviabilizar sua esperança para o futuro. É um retrato intimista de uma família que tenta encontrar a paz no campo de batalha urbano em constante mudança que chamam de lar.

não deixe de ler

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidade

Veja também

Tudo sobre a carreira do cineasta Paolo Virzì

Paolo Virzì fez sua estreia como diretor em 1994, com La Bella Vita, a história de um triângulo amoroso contra o pano de fundo...

Perfil: Tudo sobre o cineasta chinês Zhang Yimou

Zhang Yimou foi aclamado como um dos mais ambiciosos e influentes cineastas, não apenas em sua terra natal, a China, mas também no mundo...

O talento do compositor Howard Shore

Howard Shore é considerado um dos mais respeitados e ativos compositores e condutores. Seu trabalho com Peter Jackson na trilogia O Senhor dos Anéis...