Conheça a história da atriz Audrey Hepburn

Textos relacionados

Dia 4 de maio é a data de nascimento de Audrey Hepburn. A atriz e humanitária, que estaria fazendo 91 anos, foi um exemplo de estilo e elegância para muitas mulheres. E, mais do que isso, Audrey teve uma história de superação e dedicou anos de sua vida para ajudar outras pessoas. Não à toa, a protagonista de Bonequinha de Luxo (1961) é lembrada até hoje por pessoas de diferentes gerações e é usada como referência de moda por tantos estilistas e entusiastas do meio.

Uma das maiores contribuições da atriz nesse universo foi a popularização da famosa legging preta, no final da década de 1950. Além de entender melhor a importância da artista como ícone fashion, o conteúdo vai falar também sobre quem foi a grande Audrey Kathleen Hepburn-Ruston.

Quem foi Audrey Hepburn?

Uma das maiores atrizes da história do cinema, Audrey Hepburn nasceu em 1929, na Bélgica. Ela era filha de um britânico e com uma austríaca. Essa mistura de culturas e línguas foi um dos motivos que tornou Audrey poliglota: além do neerlandês e inglês, herdado dos pais, ainda jovem, também aprendeu francês, espanhol, italiano e alemão.

Com o começo da Segunda Guerra Mundial, em 1939, Audrey e sua mãe se mudaram para a Holanda. Elas contavam com a neutralidade do país no conflito – o que não ocorreu, já que a nação foi invadida por tropas nazistas.

Relatos e depoimentos provam que Audrey auxiliou na luta contra o nazismo. Por alguns anos, a artista se dedicou ao ballet e contou ter realizado algumas apresentações clandestinas, a fim de arrecadar dinheiro para os grupos de resistência.

Em 1948, após a guerra, começou a se dedicar à atuação, trabalhando em algumas peças em Londres e nos primeiros filmes da carreira. O papel que lhe garantiu a fama veio alguns anos depois, como a princesa Ann, protagonista de A Princesa e o Plebeu (1953), ao lado de Gregory Peck. Com este filme, a atriz ganhou diversos prêmios importantes, incluindo Oscar, BAFTA e Globo de Ouro.

Foram 41 anos dedicados ao cinema, onde também se destacaram Sabrina (1954); Cinderela em Paris (1957); Charada (1963); Minha Bela Dama e Quando Paris Alucina (ambos de 1964); Como roubar um milhão de dólares (1966). O último papel do cinema foi em Além da Eternidade, em 1989.

Trabalho humanitário de Hepburn

Em 1989, Audrey Hepburn foi nomeada Embaixadora da UNICEF. Desde antes, a atriz visitou diversos países que concentravam grandes níveis de pobreza, como a Etiópia e o Vietnã. O objetivo era denunciar – tanto para as grandes mídias, quanto para políticos internacionais – as terríveis condições que tantas pessoas viviam.

Além de conflitos de guerras civis, que matavam dezenas de cidadãos todos os dias, muitos passavam por fome e não tinham acesso à água potável ou uma moradia descente. Audrey Hepburn se dedicou às causas dos mais vulneráveis até sua morte, em 1993, decorrente de um câncer na região do abdômen.

Legging preta: peça chave de Audrey

Outra marca principal relacionada à atriz é a forma como influenciou a moda. Além de ser naturalmente elegante, tanto na postura quanto nas escolhas, ela se tornou amiga pessoal do estilista Hubert de Givenchy. Ela o procurou no ateliê dele para pedir que desenhasse o figurino para o filme Sabrina. Como ele não pode, ela levou três vestidos que já estavam prontos. E as roupas se destacaram ao ajudar a mostrar, na história, a mudança da filha do motorista de uma família rica após uma temporada morando em Paris para estudar em um curso de culinária.

A partir deste encontro, Givenchy foi o responsável pelos figurinos de outros filmes em que Audrey atuou, como Bonequinha de Luxo e Cinderela em Paris. A identificação entre estilista e a estrela ia além das telas. “Ele faz as únicas roupas na qual eu sou eu. Ele é muito mais que um costureiro, ele é um criador de personalidade”, Audrey disse sobre Givenchy em uma entrevista.

Segundo especialistas da moda, a combinação Audrey-Givenchy destacava um estilo sofisticado baseado na simplicidade. E é neste conceito que se encaixa uma das maiores contribuições de Audrey para a moda: a popularização da calça legging preta.

A atriz foi uma das primeiras pessoas a utilizar a peça, em um contexto mais formal, no papel de Jo Stockton, do musical Cinderela em Paris. A partir daí, a legging preta, que era usada principalmente como uma segunda pele, começou a ser cotada para looks de passarelas, para realizar atividades físicas e, claro, tornou-se uma peça imprescindível do street style.

Audrey, por exemplo, misturava a peça com blusas de manga comprida e sapatos fechados, combinando conforto e sofisticação. Além de ser confortável e prática, a legging ainda pode fazer parte de estilos mais formais e elegantes, dependendo da combinação.

Por agência Experta media

não deixe de ler

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidade

Veja também

Perfil: O talento do veterano documentarista Vladimir Carvalho

Vladimir Carvalho mora em Brasília desde os anos de 1970, depois de longa atividade no Rio de Janeiro, onde foi colaborador de Eduardo Coutinho,...

Conheça a carreira do ator Mark Ruffalo

Com uma extensa lista de créditos em filmes os mais diversos, Mark Ruffalo é um dos mais requisitados atores de Hollywood. Recentemente, Ruffalo concluiu...

Perfil – Demi Moore

Demi Moore continua sendo uma das atrizes mais requisitadas de Hollywood. Ela atuou recentemente ao lado de Parker Posey, ícone do cinema independente, no...